sexta-feira, 19 de junho de 2015

DUAS O MAIS VERDADES SOBRE O MESMO TEMA BÍBLICO? ®


 “Não pode haver duas verdades, quando uma não concorda com a outra. Ou uma ou a outra é verdadeira, mas não ambas. Crer sinceramente em alguma coisa e praticá-la não a torna certa, se realmente for errada”.
Lv. Poderá Viver para Sempre... Cap. 3, p.32 §19

Continuando a tratar do tema “verdade” vou, à partir do título sugerido e da lógica incerta na transcrição acima, refletir um pouco mais sobre a dualidade que “reside” harmoniosamente nas mentes das TJ (isso é - a afirmação e a negação de que as TJ tem e ensinam - A VERDADE – final e absoluta, sobre cada tema bíblico) algo promovido pela própria literatura da STV e que acaba sendo extremamente útil pois leva a TJ a acreditar que cada ponto de sua fé é a verdade, é aquilo que a Bíblia realmente ensina, mesmo quando quaisquer de tais pontos são mudados pela mais nova Sentinela idealizada pelo Corpo Governante e isso, mesmo quando a “nova luz” traz a negação daquilo que se vinham crendo e ensinando até então, as TJ continuarão acreditando que tinham e que continuam tendo a verdade naquele e em todos os demais ponto de sua fé que vierem a mudar - uma ou mais vezes!

         No último artigo destaquei o fato de que as TJ na realidade tem (e admitem que têm) não - A VERDADE -, mas sim - a verdade ATUAL.

Como visto naquele artigo é raro o Corpo Governante destacar a expressão “verdade atual” na literatura que produz, mas o faz de tempos em tempos e com isso ajuda a manter a dualidade indicada.

A fim de refletir um pouco mais vou repetir abaixo um trecho da Sentinela que inclui no artigo anterior (a confissão de que as TJ tem, na realidade, não – A VERDADE – mas sim apenas – a verdade ATUAL).

6 (...) Está ‘efetuando plenamente o seu ministério’? (2 Tim. 4:5) Cumpre fielmente suas designações teocráticas e mantém-se a par da VERDADE ATUAL por estudar diligentemente a Palavra de Deus E O MAIS RECENTE alimento espiritual distribuído pelo “escravo”? — Mat. 24:45-47.
Ministério do Reino – nov./1985 p.3

Com base no afirmado acima vamos cogitar a seguinte situação hipotética:

- Uma TJ vem a desenvolver uma doença grave e rara, doença descoberta no final do ano de 2013. Em razão disso ela é convidada e aceita o convite para passar um ano em um Instituto de pesquisas médicas localizada em um país estrangeiro (onde há um grupo de médicos especialistas na doença desenvolvida pela TJ).

A TJ tem as seguintes notícias sobre o país para onde irá: ali a obra das TJ é proibida e por isso nenhuma literatura da STV está ali disponível e todos as pessoas ali têm o costume de discordar e argumentar contra qualquer posicionamento defendido pelas TJ.
Assim, ainda em 2013 a TJ viaja para o referido pais e por isso não vem a tomar conhecimento da Sentinela de 15/01/2014 pg. 31.

Neste Sentinela um importantíssimo ponto de fé das TJ sofreu (mais uma) alteração radicalíssima, a última que se tem notícia (como o objetivo aqui não é tratar do tema tratado por tal Sentinela, vou ser o mais sucinto possível ao mencionar tal tema).

Antes da “nova luz” que veio na Sentinela edição de 15/01/2014, estava vigente (a respeito do mesmo ponto de fé) a “luz” expressa na Sentinela de 1/11/1995 p.19, segundo a qual:

A “geração” que passará
10 Examinemos mais de perto a declaração de Jesus em Mateus 24:34, 35: “Deveras, eu vos digo que esta geração de modo algum passará até que todas estas coisas ocorram. Céu e terra passarão, mas as minhas palavras de modo algum passarão.” As palavras seguintes de Jesus mostram que ‘ninguém sabe acerca daquele dia e daquela hora’. Ele mostra que é muito mais importante que evitemos os laços que nos cercam nesta geração. (...)
11 Esta não foi a primeira vez que os apóstolos ouviram Jesus fazer esta comparação entre ‘gerações’, pois alguns dias antes ele declarara a respeito de si mesmo: “O Filho do homem . . . tem de passar por muitos sofrimentos e ser rejeitado por esta geração. Ademais, assim como ocorreu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem.” (Lucas 17:24-26) Portanto, o capítulo 24 de Mateus e o capítulo 17 de Lucas fazem a mesma comparação. Nos dias de Noé, “toda a carne [que] havia arruinado seu caminho na terra” e que foi destruída no Dilúvio era “esta geração”. Nos dias de Jesus, o apóstata povo judeu que rejeitava a Jesus era “esta geração. — Gênesis 6:11, 12; 7:1.
12 Portanto, hoje, no cumprimento final da profecia de Jesus, “esta geração” 1parece referir-se aos povos da terra que vêem o sinal da presença de Cristo, mas que não se corrigem.
1OBS – O fato da Sentinela ter usado o termo em azul acima (parece referir-se) não deve levar à conclusão de que esta “nova luz” sobre a “geração que não passará” foi vacilante em sua conclusão, como se tal conclusão fosse uma possibilidade e não uma certeza – as TJ, realmente, passaram a encarar a “geração que não passará” mencionada por Jesus no capítulo 24 do Evangelho de Mateus, como sendo uma – GERAÇÃO FORMADA DE PESSOAS  INÍQUA.
A fim de comprovar isso cito a Sentinela de 1/5/97 p. 29, que nos dá a interpretação exata do que deve ser entendido das palavras da Sentinela de 1/11/95:
Acontece, conforme se explicou em A Sentinela de 1.° de novembro de 1995, que Jesus aplicou a frase “esta geração” a pessoas iníquas, contemporâneas. (Mateus 11:7, 16-19; 12:39, 45; 17:14-17; Atos 2:5, 6, 14, 40)   

Assim, a partir de 1/11/95 todas as TJ no mundo passaram a entender que a geração mencionada por Jesus era composta de - pessoas iníquas.
Mas, no início do ano passado (2014) a Sentinela trouxe (mais) uma “nova luz” sobre a “geração” a que Jesus se referiu. Segundo esta “nova luz”:

15 Em sua profecia detalhada sobre a terminação deste sistema, Jesus disse: “Esta geração de modo algum passará até que todas estas coisas ocorram.” (Leia Mateus 24:33-35.) Entendemos que, por mencionar “esta geração”, Jesus estava se referindo a dois grupos de cristãos ungidos. O primeiro grupo é composto de irmãos que estavam vivos em 1914 e que discerniram prontamente o sinal da presença de Cristo naquele ano. Eles não pertenciam a esse grupo apenas por estarem vivos em 1914, mas por terem sido ungidos por espírito como filhos de Deus naquele ano ou antes. — Rom. 8:14-17.
16 O segundo grupo incluído em “esta geração” são ungidos contemporâneos dos membros do primeiro grupo.
Sent.15/01/14 p.31
Assim em menos de 20 anos a geração mencionada por Jesus passou de “PESSOAS INÍQUAS” para “IRMÃOS” e “CRISTÃOS UNGIDOS”!?
Voltando para nossa situação hipotética imaginemos que a TJ em tratamento venha a comentar com o um dos médicos que a Bíblia ensina que a geração que Jesus mencionou em Mateus é composto de pessoa iníquas.
De acordo com o costume local, o médico vem a fazer uma ferrenha defesa de que as pessoas que pertencem a dita geração, na verdade, não são iníquas, mas sim, verdadeiros cristãos (por um acaso o mesmo entendimento que as TJ passaram a ter, mas que aquela TJ em especial não sabe e, naquele momento, não acredita).
A TJ usa toda a argumentação que aprendeu na Sentinela de 1995 e tem certeza de que está correta no que está afirmando pois tem a seu favor os textos bíblicos citados em apoio naquele e em outras Sentinela posteriores que trataram do tema. Além disso crê que está falando daquilo que foi transmitido pelo “único canal de comunicação que Jeová usa”, assim, permanece firme em sua posição, afinal, sabe que tem a verdade, acredita que propaga apenas aquilo que a Bíblia realmente ensina e não será um contestador que a irá  arrancá-lo da verdade em absolutamente nada.
Porém, uma vez curado e de volta a seu pais, procura ler todas as Sentinelas a que não teve acesso no ano em que permaneceu fora (a fim de, finalmente, consumir o alimento mais atual) e com isso vem a descobrir o que médico contestador tinha razão!
Como pode tal hipotética TJ continuar acreditando que tinha razão antes de viajar e que continuou a ter razão depois que voltou de viagem em relação à geração mencionada por Jesus?
E pior ainda – Como pode você, TJ que está lendo este artigo (e que também viu a radical mudança no ensino sobre a geração mencionada por Jesus), acreditar que aquilo que você, enquanto TJ, realmente tem (nãoA VERDADE – mas sim a - verdade ATUAL) “verdade” que pode ficar desatualizada a qualquer tempo e que pode atingir (potencialmente) qualquer ponto de sua fé e que quando assim ocorre, pode te levar  a negar completamente aquilo que hoje você acredita e ensina a terceiros como sendo:

A VERDADE, AQUILO QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA???

Se sua mente, de alguma forma, ainda consegue se acomodar em tal ilusão, te convido a ler, novamente, as seguintes e corretas palavras:

“Não pode haver duas verdades, quando uma não concorda com a outra. Ou uma ou a outra é verdadeira, mas não ambas. Crer sinceramente em alguma coisa (...) não a torna certa, se realmente for errada”.
Lv. Poderá Viver para Sempre... Cap. 3, p.32 §19

Que nosso amado Jeová, possa abrir sua mente para esta realidade, afinal, por mais confusão que ela possa vir a causar – será uma santa e libertadora “confusão”.

Disse Jesus – Conhecereis a VERDADE (e não a dita – verdade atual) e a VERDADE – vos libertará!
--------------------------------
Quer concordar? Quer discordar? Quer acrescentar algo? Quer indicar alguma necessária correção gramatical no texto?

Escreva para mim – 1tessaloniceneses5.21@gmail.com
 Desde já expresso meu agradecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário